21/12/2012

SEO: o conteúdo próprio é que conta.

Melhorar o conteúdo do seu site é o mais importante para ser encontrado.


Hesitei um pouco antes de fazer deste artigo algo em primeira pessoa ou coloca-o na categoria dos artigos "Só um link". Mas no que concerne ao SEO - que para quem não sabe é a sigla para Search Engine Optimization, e é relativo a tudo o que implica melhorar a facilidade com que um site é encontrado nas pesquisas dos motores de busca - não é demasiado frisar que o conteúdo é que conta. Aliás, porque não  falar em ROW - Return on Writing - em vez de ROI?
No que concerne ao SEO: Porque não ROW - Return on Writing - em vez de ROI?

Ainda há dias me ligaram de uma empresa que me prometia colocar o site da empresa onde trabalho "nos primeiros lugares dos Google". Quando perguntei como é que garantiam o primeiro lugar, a conversa mudou para "a primeira página". Felizmente é onde já nos encontramos em grande parte das palavras de pesquisa que nos interessam.

Tudo isto a propósito deste link sobre uma verdade incómoda em SEO: a optimização para motores de busca deve ser feita internamente. Não é assunto para agências ou temporários externos, que se dedicam a melhorar o básico mas não têm uma noção correcta do funcionamento da empresa, dos seus clientes e possíveis clientes e do mercado onde a empresa actua.

Não querendo de forma alguma desprezar estes profissionais, realço que quem sabe o que realmente interessa aos seus clientes é a empresa proprietária do site, e mesmo assim pode por vezes pensar que os clientes sabem tanto quanto a própria empresa, tratando-os como quase especialistas em algo que não são.

Quem é que sabe da poda? O jardineiro ou quem faz o site para ele?
Depois de estes profissionais terceirizados corrigirem o que deve ser corrigido, muito do que se deve fazer em termos de SEO é simplesmente melhor e mais conteúdo. E este, é bem feito quando é feito "por quem sabe da poda". Afinal, quem é que sabe da poda? O jardineiro ou quem faz o site para ele?

Pode ter simplesmente uma página com algumas generalidades sobre um determinado assunto, mas entregar conteúdo bem desenvolvido e pensado para quem realmente tem interesse no mesmo é mais relevante e a médio prazo acaba por ser mais compensador para os motores de busca do que simplesmente "só" melhorar o site para SEO.

20/12/2012

Há Mar e Mar...

...há ir e voltar.

Todos conhecem as frase da campanha publicitária dos anos 80, do Instituto de Socorros a Náufragos. Está tão entranhada que ainda tem consequências. Reparem só no que ainda inspira:



Só uma nota: acho que ficava melhor "Há subir e descer....". Simplificava.

Desconheço o autor ou autora deste trabalho feito para a Sonae Sierra, mas fica aqui o apontamento em jeito de muito modesta homenagem a Alexandre O'Neill, autor do original "Há mar e mar, há ir e voltar".

07/12/2012

Enviar Ficheiros Grandes: Dropbox vs Google Drive vs Wetransfer

Três serviços de envio de Ficheiros Pesados: Dropbox vs Google Drive vs Wetransfer.


Terão outras particularidades mas são os serviços de envio de ficheiros pesados que uso mais justamente pelo sumário de vantagens que aqui apresento.

Portanto, esqueçam lá o envio de e-mails com mais de 5 ou 6 megas. Assim, o utilizador descarrega os ficheiros quando quiser, mesmo que sejam muito pesados.







A Favor
  • Pode-se aceder de qualquer lado, pelo browser;
  • O software que tem que se instalar é mínimo e fácil;
  • Fácil partilha de ficheiros para terceiros (função "enviar link");
  • Com a instalação faz sincronização entre a pasta e o conteúdo do browser.

Contra
  • É preciso instalar;
  • Limite de 2 GB.






A Favor
  • Não é preciso instalação nem registo;
  • É mesmo "só enviar!";
  • Certificação de download;
  • Imagens bonitas enquanto se espera pelo envio ou recepção.

Contra
  • Pouco controlo
  • Armazenamento temporário








A Favor 
  • Permite 5 GB de armazenamento;
  • Pode-se aceder de qualquer lado, pelo browser;
  • O software que tem que se instalar é mínimo e fácil;
  • Fácil partilha de ficheiros para terceiros;
  • Com a instalação faz sincronização entre a pasta e o conteúdo do browser. 

Curiosamente, apesar deste balanço, continuo a usar menos o Google Drive. Isto porque já tenho muitos ficheiros partilhados no Dropbox com vários colegas, e como também têm lá conta torna-se ainda mais fácil partilhar os ficheiros.

Para ficheiros realmente grandes, como artes-finais para inserções em impressa por exemplo, prefiro o Wetransfer.

Se acharem que existem mais vantagens ou desvantagens que eu deva referir, é favor comentar.

29/11/2012

Só um link: como descobrir um tipo de letra

Como descobrir um tipo de letra a partir de uma imagem?


Quem trabalha em web design ou design gráfico, certamente que já deu com um tipo de fonte que não conseguia descobrir qual era. Normalmente isto acontece em imagens e logótipos, em formatos não vectoriais, em que não fazemos ideia que tipo de fonte foi utilizada.

Muitas vezes tem que se recorrer à imaginação e arranjar o mais aproximado possível ou alterar as curvas vectoriais letra a letra: é trabalhoso e não se pode escrever texto adicional com a fonte correcta.

É este o site.


O What Font Is é realmente útil. Quando nos perguntarmos "mas que fonte é esta?" Basta fazermos o upload da imagem com a fonte, e temos uma correspondência bastante exacta dos tipos de letra. Poupa tempo já que evitamos o trabalho de adivinhação, que em particular para os mais inexperientes é ainda mais alargado.

O link é mesmo What Font Is: tão óbvio como o ismycomputeron.com mas - como tenho a certeza que concordarão- bastante mais útil.

22/11/2012

Novo Site do Jornal Público: a importância de testar.

A importância de testar, testar e testar outra vez.


Um grande jornal. Um grande lançamento de um novo site. E uma grande barracada:

Sim, falha o pequeno pormenor dos conteúdos.

Como é possível lançar um novo site sem testar? Ainda por cima têm assinantes, além dos utilizadores registados, que poderiam ter sido convidados a fazer beta testing. As críticas no Facebook do Público são muitos e parece-me que as negativas são em maior número que as positivas.

Mesmo a questão da interface estilo Windows 8 poderia ter sido alvo de debate entre um focus group de utilizadores.

Na blogosfera, também há quem já tenha reparado que o novo Público simplesmente deitou fora milhares de backlinks e mesmo no site da Revolução Digital as críticas sobre os problemas do novo site do jornal Público já se fazem sentir.

Veja mais - se conseguir - em www.publico.pt

Entretanto a própria direcção já lançou uma nota a pedir desculpas e já consegui aceder a algum conteúdo.

Editado em 5/01/2012: as estatísticas do Alexa mostram uma curva descendente, com um pico negativo por volta do dia de lançamento do novo site.

16/11/2012

Como fazer efeitos de texto em Photoshop: 200 tutoriais.

De facto são mais de 200 Tutoriais para fazer efeitos de texto em Photoshop.


Ora, sem nenhuma ordem em particular, aqui estão alguns links com muitos tutoriais para efeitos de texto em Photoshop. De facto o "200" pode até ser um exagero, porque há alguns repetidos.

Alguns exigem ainda o Illustrator, nomeadamente os 3D, mas na maior parte basta uma versão relativamente recente do Photoshop:

100 Creative Photoshop Text Effects Tutorials

20 News Photoshop Text Effects

The Best 80 Photoshop Text Effects on the Web

20+ New Photoshop Text Effect Tutorials

10 Wonderful Letterpress Type Tutorials

14/11/2012

Só um Link: boas práticas para comunicação negócio a negócio no Instagram

E sim, preferi escrever "negócio a negócio" a B2B (business to business).


Porquê? Porque nem todos sabem o que quer dizer este tipo de gíria e porque assim estou a abranger mais termos a serem pesquisados no Google.

Mas vamos ao link: é sobre as melhores práticas B2B para o Instagram.

Como eu não invento que sei o que não sei, não é com vergonha que declaro a minha ignorância em relação ao Instagram: para já, os smartphones modernos que permitem a app do Instagram ainda não chegaram até mim e o tempo que tenho dedicado às redes sociais não me tem permitido passar das principais: Facebook, Google Plus e Linked In.

O que me parece interessante aqui é que estas melhores práticas em relação a mostrar fotografias, também podem reflectir a sua comunicação empresarial não só no Instagram mas em redes sociais na generalidade. Afinal, a maior parte do conteúdo passa por imagens. Senão, vejamos uma breve análise do conteúdo:

1. Mostrar o pessoal: trabalho de equipa, dedicação e apreciação do pessoal;

2. Mostrar o produto: a dedicação de como é feito, afinado, embalado;

Isto sim, é trabalho de equipa!

3. Mostrar um foto da equipa a fazer algo bom: o factor humano no seu melhor;

4. Comentar e Gostar de fotos de outras empresas: social. É uma rede social.

5. Usar a localização geográfica para ligação aos negócio locais: se está numa exposição pode marcar as fotos como "tiradas em". Isto associa a sua empresa ao local e aos negócios desse local.

Vejam o desenvolvimento destes tópicos no link, porque senão estou a fazer uma tradução e bem... isto é só um link.

Nota: A segunda parte, diz a autora - e continuando na onda das imagens - será sobre as melhores práticas B2B para o Pinterest, outra rede social baseada em imagens. Ficamos a aguardar.

09/11/2012

Só um Link: Open Directory Project

É só um link mas é valioso para os seus backlinks: O Open Directory Project


Lembra-se dos antigos directórios de sites, quando tudo era organizado numa estrutura tipo árvore, por assunto? Na era pré-Google o SAPO trabalhou muitos anos assim, por exemplo. Tínhamos uma categoria de negócios, eventualmente sub dividida a nível regional e depois na área da nossa página podíamos submete-la para avaliação.

Como pode imaginar, tudo isto funcionava razoavelmente mas com várias falhas, dado que podíamos querer indexar em mais de um local por termos várias áreas de actuação, podíamos colocar informação diferente da do site, e se alterássemos algo tinha que ir aos directórios alterar.

O Open Directory Project é disso que se trata. É uma extensa directoria de sites organizados e indexados não por bots, mas por... humanos!

Quase 100.000 editores e mais de 1.00.000 de categorias!
 
Não é que seja particularmente útil e pessoalmente duvido que o OPD consiga só por si gerar muito tráfico, mas realmente há que aproveitar este backlink por duas razões:

1. É grátis - e se forem como eu gostam de coisas realmente grátis;

2. O Google gosta desta referência.

Se leram o meu artigo sobre o Guia Básico da Google para Optimização de Motores de Busca Básico deverão ter reparado que o Google pode até usar a descrição do ODP em vez da descrição do seu site na respectiva meta tag.

Portanto adicione aqui o seu site ao Open Directory Project.

01/11/2012

Como está a sua assinatura do e-mail?

Já reparou bem na sua assinatura do e-mail? Dez perguntas que deve fazer para ter uma melhor assinatura para os seus e-mails.

 


Responda a estas perguntas, e fique a saber se a sua assinatura de e-mail é mesmo adequada e profissional.

É curta e concisa? Algumas assinaturas têm uma quantidade exagerada de texto e de informações. Verifique se não está a enviar informação a mais ou que não interessa à grande maioria dos leitores.

Diz o que faz na sua empresa? Principalmente quando envia e-mails para novos correspondentes, estes vão-se imediatamente perguntar pelo menos três coisas, não necessariamente por esta ordem: "quem é", "o que quer", "e "o que faz". Quanto ao que pretende, vai explica-lo no corpo do e-mail. Quanto às outras duas, facilite a comunicação e coloque logo nome e cargo ou departamento.

Vê-se bem aquilo que realmente interessa? Tente destacar os dois itens anteriores com um tamanho de texto diferente. Não exagere no tamanho, mas pelo menos dar uma diferença de dois tamanhos para o corpo principal da assinatura já realça o que interessa. Pode também optar pelo contrário, deixar o tamanho igual ao corpo e diminuir o tamanho do restante texto da assinatura.

Essa declaração de privacidade ou outra qualquer é mesmo necessária? Muitos e-mails contêm uma ou mais declarações - também conhecidas como disclaimers. Lembro-me da declaração de privacidade do género "se receber este e-mail por engano..." ou a velhinha declaração de "não imprima desnecessariamente". Mas considere: alguma vez uma declaração destas impediu mesmo alguém de imprimir ou mesmo de fazer seja o que for? Se quiser mesmo coloca-la - eventualmente até por motivos contratuais  pelo menos que fique no fim e com letra de tamanho reduzido.

Como quer ser contactado? O e-mail deve dar logo uma oportunidade imediata de contacto ao interlocutor. Se o telemóvel é a sua ferramenta de trabalho, adicione o número. Se for comum enviar e-mails internacionais, adicione o indicativo do país. Coloque ainda o seu endereço de e-mail bem perto do nome: não só o associa ao nome como mostra o domínio e nome da empresa onde trabalha.

Tem a informação adicional da sua empresa? Basta ter o site e a morada. Se for mais do que uma morada também funciona como publicidade: "Ah que bom, eles têm uma filial perto de mim!". Claro que se tiver várias moradas pode ser exagerado incluí-las e pode preferir ter só a da sede e a do seu local de trabalho (se forem diferentes).

Faz da sua assinatura um cartaz? É uma assinatura. Só uma Assinatura. Isto já depende muito da política empresarial de cada um, mas se um logótipo ou uma distinção especial podem ser legítimos de incluir, um banner publicitário maior já pode ser um exagero e fazer o olhar simplesmente fugir da sua assinatura, ou pior ainda fazer o interlocutor apagar logo a mensagem. Seja comedido.

Usa imagens? Se sim, evite-as. A forma como as vai ver pode não funcionar noutro programa de e-mail: podem não aparecer, podem vir como anexos, pode ser preciso clicar num botão para transferi-las, podem estar tão mal formatadas que tornam o e-mail pesado (se bem que hoje em dia já não se coloca muito esse problema). Alguns programas nem sequer permitem a colocação de imagens nas assinaturas, o que tratando-se de uma empresa é mau para a uniformização da imagem dada pelos colaboradores.

Responde com a mesma assinatura? Se bem que pode perfeitamente fazê-lo, se a assinatura for grande pode compensar ter uma assinatura diferenciada para as respostas, de modo a não acumular demasiado textos nos e-mails. Afinal, se está a responder é porque já têm o seu contacto e em princípio sabem quem é. Pode bastar só o nome e cargo.

Mantém tudo simples? Ou usa mais do que duas cores? Incluí texto sublinhado? Mais do que um tipo de letras? Fundo no corpo de e-mail? Está a tentar mostrar as suas potencialidade em edição colorida de texto ou a fazer uma assinatura facilmente legível? Esqueça as saladas de fruta. Keep it simple.

Alguns Link Interessantes:

The Art And Science Of The Email Signature

20 Tips for Creating an Effective Email Signature

23/10/2012

Só um Link: Como obter imagens legais e gratuitas

Como obter imagens legais e gratuitas para Blogues ou Sites? Todos nós que queremos colocar algum tipo de conteúdo gostamos de ilustrar esse conteúdo com algumas imagens. Mas não "pegue" numa imagem à sorte para ilustrar um artigo ou o conteúdo do seu site.

Além de estar a tirar sem autorização pode estar a tirar de alguém que realmente comprou uma imagem para uso próprio, mas a imagem é na mesma propriedade do autor original ou de uma empresa de revenda de imagens.

Procure antes uma imagem que seja efectivamente legal e que não lhe vá criar problemas depois. Não é complicado, com a inscrição nos sites é feito um contrato de utilização que permitirá, com alguns limites, usar a imagem que pretende.

Recomendo este site:

 Stock.XCHNG, the leading FREE stock photo site

Veja nestes exemplos como uma simples imagem vinda deste site pode transformar um artigo de texto em algo mais dinâmico e interessante:

Como está a sua assinatura do e-mail?

Ligado no LinkedIn

Há ainda muitos mais por aí. Alguns links adicionais:

50 sites to find free stock images

89 Bancos de Imagens Free… isso mesmo, Grátis!

25 sites com Imagens Grátis para Baixar e Usar


18/10/2012

Ainda sobre o novo logotipo da Microsoft

Ainda sobre o logotipo da Microsoft...


...e no seguimento desta entrada sobre os novos logotipos Microsoft e ebay, dei com esta análise que vai ainda repescar um antigo anúncio do Windows 95... onde aparece o "novo" logotipo.




É a chamada "evolução na continuidade"?

12/10/2012

Facebook: Como Personalizar uma Página de Entrada

Um guia básico para personalizar a página de fans e de novos membros no Facebook.


Para ter a página do Facebook personalizada com uma página de entrada própria, é necessário ter uma app instalada. Tenho optado pelo Static HTML App, com bons resultados. Algumas razões da escolha:

  • Permite adicionar quantos separadores quisermos
  • Permite personalizar a imagem de cada um dos separadores
  • Permite ter uma página de entrada para quem não é fã e para quem já é
  • Permite - tcharammmm - integração com o Analytics.

O Static HTML tem ainda mais possibilidades, mas só mexendo é que se começa a descobrir. Um exemplo literalmente sedutor é a página de Facebook da Victoria's Secret, mas por causa das várias tabs personalizadas:

Quatro tabs personalizadas em baixo, com conteúdos também personalizados.

E agora, como colocar o Static HTML a funcionar?


Primeiro: adicionar o App Static HTML à página da entidade. Basta ir aqui e seguir a indicação de instalar.

https://apps.facebook.com/static_html_plus/


Página de instalação do applet Static HTML
 

Depois o Static HTML irá perguntar em qual das nossas páginas o queremos. Portanto teremos que estar numa página de administração de uma página empresarial, ou seja não podemos instalar directamente da página empresarial.


Sim, aqui só havia uma para escolher porque as outras quatro já o tinham. Esperto, não é?

Segundo: Abrir a página empresarial à qual se adicionou este app e escolher o novo separador Welcome.

Neste momento temos a possibilidade de editar, dentro do mesmo separador, as páginas public ou fans.

A primeira é visível para o público em geral, que ainda não "Gosta" da nossa página. A segunda é para os fans que já gostam. Na prática, isto permite - por exemplo - agradecer por terem feito Gosto ou desvendar informação adicional como recompensa.

Vamos então escolher Edit Tab, a partir daqui depende do gosto e conhecimentos de cada um.

Algumas Dicas:

  • O editor WYSIWYG do Static HTML permite adicionar imagens, botões Like do Facebook, texto, filmes e código HTML. No entanto, é a pagar 10USD por mês.
  • Dado que podemos colocar código HTML na parte completamente gratuita, é só questão de fazer uma página HTML normalíssima e "despejar" o código lá para dentro. Atenção aos ficheiros com path local...
  • Código HTML?! Portanto podemos também fazer integração com o Google Analytics. Mas não é sequer necessário inserir as tagas próprias. Basta ir a Basic e inserir o nosso número de conta analytics.
  •  Para modificar o nome e a imagem de cada separador: Passar para a página empresarial a administrar > Painel de Administração > Actualizar Informações > Aplicações > Static HTML 

Alguns Links inspiradores:

20 Best Designed Facebook Fan Pages

10 Top Facebook Pages and Why They’re Successful


10/10/2012

Em Espanhol. E Inglês.

Como consumidor português, o que vou pensar de uma marca que nem sequer se digna a disponibilizar uma embalagem na minha língua (no outro lado estava em inglês)?


O baixo preço justifica tudo? Já nos habituamos a conviver com embalagens do DPH com espanhol e até grego à mistura, mas isto não é esticar um pouco a corda?

Somos nós consumidores que não nos importamos quando o preço é realmente o mais importante? Ou é a marca que deixou de se importar, pelo mesmo motivo?

Nota: DPH é, no jargão da distribuição, o Departamento de Produtos de Higiene.

04/10/2012

Guia Básico da Google para Optimização de Motores de Busca

Como melhorar a posição do seu site no Google?


Este artigo servirá certamente para um bom começo. Há muitos pormenores envolvidos, mas para uma concentração num só documento PDF das principais directivas para SEO, nada como ver o Guia Básico da Google para Optimização de Motores de Busca (última actualização até à data, em 03/10/2012).

Tabela de Conteúdos do Guia de SEO Básica da Google


Este guia está também disponível em Português BR ou PT, embora eu prefira a edição original não traduzida,e vai-lhe dar uma ideia bastante precisa e alargada do que o Google Bot prefere ou não.

Sim, é o Google Bot.

Não é preciso ser um cientista para melhorar substancialmente um site com estas directrizes. O que podemos fazer de imediato para tornar o nosso site mais fácil de encontrar? Vou resumir aqui muito este guia básico:

Conteúdo é que conta e é sempre o principal: Conteúdo válido e interessante, que tenha interesse para os possíveis visitantes, que seja atraente visualmente, que esteja bem organizado e estruturado dentro da própria página, é o mais importante. O Google bot repara nos parágrafos, nos títulos e sub-títulos, nas palavras em negrito. Bem estruturado já teremos metade do trabalho feito, porque se o conteúdo for bom, as pessoas vão querer visitar o nosso site.

Organize o site: Divida conteúdos diferentes por páginas diferentes. Não faça páginas quilométricas. Um página não é um rolo de papiro! Se tem assunto para falar de batatas para 3 páginas, divida as batatas por três páginas e melhore cada página separadamente. Conforme este exemplo, faça uma página sobre batatas vermelhas, outra sobre batatas brancas e outra sobre... cozinhar batatas.

Títulos das páginas nem muito genéricos nem demasiado pormenorizados: O Google também usa os títulos das páginas como resumo aquando da pesquisa. Que correspondam mesmo ao conteúdo é importante.

Nomes de Ficheiros Reconhecíveis: chamar aos ficheiros das páginas aquilo que eles têm lá dentro. Por exemplo devemos nomear como conteudo-da-pagina.htm em vez de ficheiro0102.htm. O mesmo para a estrutura de pastas.

Dê nome às imagens: Use a característica alt (texto alternativo) para descrever as imagens. Imagens com descrição relevante para o conteúdo valorizam a página onde estão e são também indexadas na pesquisa de imagens.

Um Link interessante:

Como Chegar ao Primeiro Lugar no Google

01/10/2012

Melhor que o Google Analytics?

O Crazy Egg promete ser ainda melhor do que o Analytics na análise aos sites.


Com a ajuda da tecnologia de rastreio ocular - eye tracking - o Crazy Egg promete realmente analisar onde os visitantes clicam no site.

O Analytics tem uma função semelhante, o Google Analytics na Página:

Google Analytics na Página (www.jardinsaguaviva.com)


O fluxo de visitantes aparece diferenciado pelos links, mas o problema é justamente esse: podemos ter o mesmo link em vários locais da página. Ou seja, é simplesmente passar para um sistema mais visual o fluxo normal de visitantes mas só através da análise de cliques, não do local dos mesmos. Se tivermos 20 cliques num botão em cima e no menu textual em baixo mais 10 cliques para o mesmo link, no Analytics temos 30 cliques.

Qual a diferença do Crazy Egg?


É que com a tecnologia de rastreio ocular, podemos ver para onde as pessoas olham e clicam. E fazer as adaptações necessárias. É feito um mapeamento do site através de um mapa térmico de zonas mais observadas e também o desenrolar da página é medido. Temos ainda um mapa de confétis:

Crazy Egg - Mapa de Confetis
Crazy Egg - Mapa de Confetis

O Crazy Egg não é grátis, mas oferece 30 dias experimentais, os quais vou usufruir na próxima oportunidade. Aguardem notícias!


24/09/2012

Novos Logotipos: ebay e Microsoft

Na minha opinião, o novo logotipo do ebay mantém alguma identidade do antigo mas parece que foi feito à pressa no Corel Draw em 2002 por um estagiário:



Fonte: http://stocklogos.com/topic/new-ebay-logo

O da Microsoft... usa o mesmo esquema de cores. Literalmente quadrado. Não desgosto: invoca as áreas de actuação da empresa e a geometria transmite segurança e estabilidade.

Fonte: http://stocklogos.com/topic/microsoft-unveils-fresh-new-logo-and-identity

A propósito disto, e para provar que eu estava atento... notam alguma coisa?


E mais outro:



Continuação sobre o logotipo novo da Microsoft aqui.

21/09/2012

Como Traduzir Facilmente um Site

Google Web Site Translator


O Google Web Site Translator é uma ferramenta pouco divulgada, provavelmente porque traduções automáticas sem o factor humano à mistura não apanham as variações linguísticas. Os resultados podem ser... hilariantes!

É possível no entanto usar o tradutor normal do Google como ponto de partida e afinar o resultado num documento à parte, corrigindo sentidos duplos e expressões idiomáticas, depois aplicar no site.

Recentemente o Google Web Site Translater começou a permitir a correcção das traduções. Significa isto que podemos melhorar e muito as traduções automáticas através de sugestões, que podem ser nossas ou de visitantes.

Para um teste, a própria página do blog Google Web Site Translater pode ser traduzida.

Outro exemplo prático implementado por um colega Web Designer pode ser encontrado aqui no site dos alarmes para automóvel e motas GT.

Mais de 60 idiomas à disposição com um menu pull-down, gratuito, colaborativo, e fácil de implementar. Já não há desculpa para ter um site só num idioma!

17/09/2012

Eficácia dos Anúncios no Facebook

Esta é uma questão sobre a qual tenho sido abordado. Até que ponto compensa investir em anunciar no Facebook? Não tendo aqui o objectivo de fazer propriamente um estudo aprofundado sobre o assunto, gostaria de dar uma ideia geral.

Há Retorno?


Depende do que investirmos e do que potenciarmos esse investimento. Por mais pequeno que seja! O orçamento mensal que tenho para divulgar 3 páginas importantes no meu trabalho é simbólico e quase irrisório, no entanto consigo ter uma média de 1200 pessoas a gostar das 3 páginas, a crescer cerca de 10% por mês desde os últimos 6 meses aproximadamente.

Poderão achar pouco, mas estamos a falar de páginas de lojas de produtos de luxo muito exclusivos e de uma loja praticamente B2B onde a vertente de B2C é de nicho. As publicações têm taxas de visualização na ordem das 2 ou 3 centenas, e taxas de viralidade - para se perceber melhor eu chamo-lhe "os que ligam", ou seja interagem ou comentam - interessantes, na ordem dos 2%. Se eu considerar que uma ínfima percentagem destas pessoas nos recomenda ou , melhor ainda, aparece e nos compra um equipamento de gama média ou nos encomenda uma obra pequena, tenho um retorno bastante bom!


Uma das três páginas do FB que reparte um orçamento pequeno, consegue ter estatísticas bastante agradáveis.

Resumindo: mais do que estar a apostar grandes somas de dinheiro, é necessário antes afinar aquilo que estamos a fazer com os meios de que dispomos. E claro, testar muito.

Portanto, na minha opinião, se for bem feito, com cuidado em ternos de conteúdo dos anúncios, e não tendo piedade para com os anúncios com maus dados estatísticos, compensa. Estamos a falar de pessoas que oficialmente passam a gostar da nossa marca. Por mim, considero um honra e um valor muito acrescido que alguém se dê sequer ao trabalho de seguir o que a minha marca tem para dizer, ainda mais numa rede social.

De notar ainda: as ferramentas estatísticas de que dispomos para aferir publicações e visualizações neste suporte, tornam ainda mais fácil aferir se estamos simplesmente a fazer asneiras e a gastar o nosso saldo rapidamente ou se estamos realmente a obter algum retorno positivo de quem nos honra ao fazer Gosto na nossa página empresarial.

Alguns Links Interessantes:




12/09/2012

Só um Link: Cartões com Relevo

Cartões com Relevo

 

Sim, são mais caros a nível de artes-gráficas do que é habitual. O facto de ser necessário um molde próprio para o relevo faz com que o sejam. Mas estes cartões de visita, além de bonitos, fazem com que esse custo se amortize, dado que vão durar mais na carteira do cliente do que um cartão normal. Ora vejam lá:

60 Beautifull & Creative Embossed Business Cards.


11/09/2012

Ligado no LinkedIn

Alguns já terão perfil no LinkedIn. Resumidamente, trata-se de uma rede social muito mais virada para a vida profissional das pessoas. Lá não veremos jogos ou memes filosóficos. Lá veremos um autêntico Curriculum Vitae facilmente actualizável e que pode ser bilingue. É aliás o meu perfil do LinkedIn - exportado para PDF - que uso como CV.

Distinga-se da multidão!
Já são razões suficientes para termos um perfil lá. A questão é: por onde começar?
  1. Comece simplesmente pelo CV já existente, porque se já está organizado, não será difícil preencher os campos disponíveis no LinkedIn.
  2. Não esqueça os pormenores todos. Um perfil completo é um perfil com mais hipóteses de ter algo que interesse ao possível empregador ou cliente - caso faça trabalhos freelance.
  3. O LinkedIn permite ainda  colocar projectos onde tenha trabalhado, pelo que se tiver alguns interessantes deverá coloca-los. É muito mais interessante colocar uma breve descrição de um projecto com um objectivo cumprido do que simplesmente ter nas skills que consegue fazer algo.
  4. Coloque uma foto profissional. Esqueça as fotos a olhar no vazio ou as velhinhas fotos "tipo passe". Peça a um colega para lhe tirar uma foto no seu ambiente de trabalho. Assim mostra-se profissional e impressiona com a verdade.
  5. O LinkedIn permite ligações profissionais. Portanto não comece a juntar tudo e todos os que lhe aparecem. Pedidos de coleccionadores de contactos eu simplesmente rejeito. Um perfil com mais do que um número razoável de pessoas torna-se simplesmente ridículo: é impossível conhecer mais de 300 ou 500 pessoas... a não ser em casos muito particulares. E atenção que com cada novo contacto aparece um campo para escolher de onde conhece essa pessoa.
  6. Pode pedir recomendações aos seus colegas ou ex-colegas e aprova-las mais tarde. Pode e deve também recomendar quem acha que o mereça.
  7. Junte-se a grupos relacionados com a sua área. Há sempre muito para aprender de quem sabe mais ou algo para ensinar a quem sabe menos. Participe.

Isto é apenas o que o senso comum permite fazer. Para saber mais - muito mais - sobre as possibilidades do assunto, espreitem o que um profissional do LinkedIn como o Rui Pedro Caramez tem a dizer. Dica: ele fará uma avaliação gratuita do seu perfil, mas por favor não o faça perder tempo mostrando-lhe um perfil quase vazio. Primeiro, faça o máximo que conseguir.

Finalmente, aqui está o meu perfil do LinkedIn. Como com tudo, aceito sugestões.

Links


Dá ao LinkedIn a Importância Que Ele Merece?

As regras para tirar o máximo de proveito do LinkedIn


10/09/2012

Só um Link

Seth Godin é uma referência em marketing. O seu blog envia uma newsletter com frases simples e observações curiosas que nos fazem pensar.

Só um link para o blog do Seth Godin.

E uns parágrafos de que gostei:

One reason to do something is because you get paid to do it.

But it's sad to think that this might be the only reason to do something.

Now that you've got a skillset and trust and leverage and a following and the tools to make something happen, are you going to invest your heart and soul into something that's important or waste it selling something you're not proud of?

Tradução:

Uma das razões para fazeres algo é porque és pago para o fazer.

Mas é triste pensar que isto é a única razão para fazer algo.

Agora que tens a capacidade a confiança um começo e um seguimento e as ferramentas para fazer algo acontecer, irás investir o teu coração e alma em algo realmente importante ou vais desperdiçar tudo ao vender algo de que não te orgulhas?


07/09/2012

Organização de Tarefas

Software


Uma situação que me acontece com frequência é começaram a chover pedidos relacionados com uma tarefa após a atribuição da mesma. Isto acontece porque as pessoas vão-se lembrando de um outro pormenor que querem ver efectuado ou porque a tarefa principal, para quem a efectivamente faz, como eu, se compõe de várias fases ou sub-tarefas para atingir o objectivo pretendido. Uma tarefa como, por exemplo, "organizar a nossa participação numa feira" envolve dezenas de pequenas sub-tarefas como é óbvio.

Para essas situações usa muitas vezes um software gratuito chamado Project Engine. Certamente haverá outros melhores, a pagar ou não, mas como sinceramente não tenho grande paciência para andar a fazer testes, para já vou usando este.





Como se pode ver, a ideia é ter uma estrutura tipo árvore na qual a raíz é a tarefa principal. E acreditem que podem existir muitos ramos...

As possibilidades ultrapassam aquilo que eu desejo sequer usar. É possível definir prioridades, prazos, atribuir tarefas a alguém com o mesmo software, e muito mais.



É portanto uma ferramenta que embora nem sempre se utiliza para as tarefas agendadas do dia-a-dia, se torna muito útil em coisas mais complicadas.


06/09/2012

A Raquel vai ao Continente

A Raquel vai ao Continente. E transporta as crianças. E faz tudo e mais alguma coisa. A mulher da casa desenrasca-se e faz tudo e mais alguma coisa sob o olhar quase complacente do marido. Dá a ideia de que o marido sustenta a casa, da casa trata a mulher. Jurássico.

E eu pergunto: isto reflecte-nos? Se sim, é triste.

Caso contrário, o Continente falhou. Duvido que o tenha feito.

Mais aqui: http://consumerbehaviorportugal.com/?goback=.gde_948617_member_158630444

E a Raquel:




Aproveite e pague o dobro

Desinstalei um programa de software - bom por acaso - e dei com isto. Depois de achar piada ao erro comuniquei ao e-mail no Contact Us, depois deste clique.




A resposta ao e-mail com esta imagem foi esta:

Dear Pedro,

Please contact TuneUp concerning your question, as we unfortunately cannot assist you with questions of this nature.


On the following website you will find assistance and also a contact form, should you still have questions.


NOTE: Questions sent through the links "Questions about downloading" or "Questions about the ordering process" will be directed back to cleverbridge. Please select from the other options to reach TuneUp.

[...]

Ben M.
[...]

 ---- 

Pelo que percebi a empresa que vende o software não é a mesma que o faz e que fez este divertido erro.

O caro Ben M. esquece que eu sou um consumidor. Que eu como consumidor, relatei o erro que vi como um favor, ao avisar o primeiro contacto que vi. O caro Ben esquece que a sua obrigação era, simplesmente, reenviar o e-mail para qualquer contacto na empresa cliente, para relatar o erro.

E quer que eu preencha um formulário? Bem, deixemos o erro correr. Ao menos outros clientes podem-se rir dele.